ONG de SP acolhe 68 filhotes de saguis apreendidos pela polícia ambiental e faz apelo por ajuda

//ONG de SP acolhe 68 filhotes de saguis apreendidos pela polícia ambiental e faz apelo por ajuda

Texto por Bárbara Muniz Vieira, Fonte: G1 SP

Sessenta e oito filhotes de saguis apreendidos pela Polícias Ambiental e Civil (3° DP) de Osasco, na Grande São Paulo, foram para a sede da ONG Projeto Mucky na madrugada desta quarta-feira (13), em Itu, interior paulista. A instituição fez um apelo nas redes sociais por ajuda financeira e técnica para conseguir manter os animais.

“Eles não sobreviveriam sem esse apoio nosso. Passamos dentro da delegacia mais de 5 horas, mais de 10 pessoas envolvidas. Foi preciso soro, mamadeira via oral, alguns estavam com diarreia, eles estavam sujos. Um horror”, disse a a ambientalista, fundadora e coordenadora Livia Botar ao G1.

Filhotes de saguis apreendidos pela polícia ambiental estão em ONG — Foto: Projeto Muky/Divulgação

Filhotes de saguis apreendidos pela polícia ambiental estão em ONG — Foto: Projeto Muky/Divulgação

De acordo com o texto divulgado, a equipe que chegou à delegacia encontrou um “cenário de terror e desolação”.

“Todos os macacos eram filhotes com idades que variavam entre 10 dias e 3 meses. O grupo estava dividido em duas caixas minúsculas, completamente imundas e aqueles que ainda tinham alguma energia circulavam num lamaçal de fezes, urina e comida estragada. Por entre as frestas dos caixotes os olhares assustados pediam socorro e expressavam a dor de não entenderem por que estavam ali. Os macacos estavam molhados, sujos, famintos e sedentos.”

Filhotes de saguis apreendidos pela polícia ambiental estão em ONG — Foto: Projeto Muky/Divulgação

Filhotes de saguis apreendidos pela polícia ambiental estão em ONG — Foto: Projeto Muky/Divulgação

O texto diz que o grupo estava dividido em duas caixas minúsculas, completamente imundas.

“Aqueles que ainda tinham alguma energia circulavam num lamaçal de fezes, urina e comida estragada. Por entre as frestas dos caixotes os olhares assustados pediam socorro e expressavam a dor de não entenderem por que estavam ali. Os macacos estavam molhados, sujos, famintos e sedentos.

Um a um, começamos a retirá-los das caixas e prestar os primeiros socorros. Todos os 68 bebês receberam alimentação, soro e foram transferidos para recintos secos, limpos e aquecidos, uma operação que mobilizou cerca de dez pessoas e durou cinco horas até que todos os primatas fossem socorridos.

Filhotes de saguis apreendidos pela polícia ambiental estão em ONG — Foto: Projeto Muky/Divulgação

Filhotes de saguis apreendidos pela polícia ambiental estão em ONG — Foto: Projeto Muky/Divulgação

Até o momento, todos os filhotes estão vivos e continuamos empenhados para que sobrevivam. Alguns estão mais vívidos, outros mais fracos, mas a mudança nos olhares é nítida: já não sentem medo e nos olham com imensa gratidão.”

Segundo o texto, os macacos teriam sido “encomendados” da Bahia por uma mulher que os vendia ao preço de R$ 100 cada um. Além dos saguis, também foram apreendidas cerca de 120 aves.

Filhotes de saguis apreendidos pela polícia ambiental estão em ONG — Foto: Projeto Muky/Divulgação

Filhotes de saguis apreendidos pela polícia ambiental estão em ONG — Foto: Projeto Muky/Divulgação

Macacos precisam de equipe de 12 pessoas

De acordo com Livia, a ONG, que atua há 34 anos, já mantém 207 primatas e passa por dificuldades financeiras.

“Nós temos mais 207 macacos sob nossa responsabilidade, alguns são paraplégicos, amputados, cegos. Nos últimos 2 anos não temos recebido macacos. Nessa situação, o objetivo é apenas fortalecer [os 68 saguis] e na sequência conseguir parceiros para que a gente possa encaminhar grupos menores pra outros locais, Não temos estrutura física e nem pessoas para assumir de maneira prolongada o cuidado com esses animais. A equipe que temos já está mobilizada”, disse ela ao G1.

Filhotes de saguis apreendidos pela polícia ambiental estão em ONG — Foto: Projeto Muky/Divulgação

Filhotes de saguis apreendidos pela polícia ambiental estão em ONG — Foto: Projeto Muky/Divulgação

Segundo Lívia, é necessária uma estrutura de 12 a 14 pessoas só para amamentar os macacos a cada 2 horas.

“Os 68 saguis precisam de tratamento contínuo. O peso máximo deles é de 20 a 80 gramas. Eles precisam ser amamentados a cada duas horas ou duas horas e meia e a cada vez que isso acontece são necessárias de 6 a 7 pessoas. “

Os cuidadores precisam de capacitação técnica, de acordo com Lívia.

“Não funciona assim da pessoa vir aqui e querer cuidar de macaco, tem de estar habilitado para isso. São pessoas que precisam ter capacitação técnica, Muitas vezes vamos precisar de pessoas remuneradas para fazer um trabalho de dois ou três turnos. Precisamos de apoiadores parceiros”, diz ela.

De acordo com Lívia, a ONG precisa de:

  • Parceiros (ONGs e Associações) que possam receber pequenos grupos de saguis, sob nosso acompanhamento e orientação técnica;
  • Reforço voluntário (diuturnamente) na equipe de cuidadores;
  • Apoio financeiro;
  • Mobilização contínua da sociedade para que esses crimes passem a ser punidos com rigor! Pasmem: a mulher apenas assinou um termo circunstanciado e já está livre!

2019-03-15T16:12:37+00:00